SOLENIDADE DA SANTÍSSIMA TRINDADE 2016 : ABERTURA DAS COMEMORAÇÕES DO CENTENÁRIO DO MONSENHOR NATANAEL.

(Mensagem do Pe. Edilson Medeiros de Barros)

                                                                                                    

Um Deus próximo que se faz sempre muito próximo.

É isto que nesta Solenidade da Santíssima Trindade somos convidados a celebrar e por isso mesmo a nos deixar contagiar por esta verdade do Deus que amamos e em quem acreditamos.

Três pessoas em uma realidade de vida.

Mistério insondável de um Deus que seja no Pai, no Filho ou no Espírito, é sempre doação, caminho e verdade.

 São belíssimas as expressões do Credo Niceno-Constantinopolitano, quando falam da trindade de Deus: o Pai “criador de todas as coisas”, o Filho, “Deus de Deus, Luz da Luz, Deus verdadeiro de Deus verdadeiro, gerado, não criado”, e o Espírito que “dá a vida, e procede do Pai e do Filho”.

Mais importante do que encontrar fórmulas para expressar a compreensão do mistério das três pessoas numa única natureza, é descobrir o que a doutrina da Trindade pode nos ensinar para a nossa vida cristã.

Ao celebrarmos esta verdade de fé se pede a nós cristãos que procuremos ter ao menos essas quatro atitudes:

ADORAÇÃO: como não louvar, bendizer e glorificar a esse Deus trino de amor que faz de nosso corpo a sua morada?

ADMIRAÇÃO: a grandeza de Deus não é feita de poder e da força como a de um exército (Salmo 20), mas Deus é grande e forte pelo amor.

COMUNHÃO: na nossa pequenez, mas sempre pela nossa fé, nos unimos ao Deus Trindade para fazer deste Deus o modelo de nossa vida cristã.

PROFISSÃO DE FÉ: cremos com toda a esperança que Deus é o centro da nossa fé e o autor de toda a vida, por isso dizemos: “Eu creio em Deus…”.

É muito profundo e ao mesmo tempo “sereno” o que disse a Igreja em 1215, no Quarto Concílio de Latrão, a cerca da Trindade: “Nós acreditamos com firmeza e afirmamos simplesmente que há um só Deus verdadeiro, imenso e imutável, incompreensível, todo-poderoso e inefável. Pai e Filho e Espírito Santo: três pessoas, mas uma só essência, uma só substância ou natureza, absolutamente simples”. “Afirmamos simplesmente”: há um só Deus.

A Vós, Pai onipotente, origem do cosmos e do homem, por Cristo, o Vivente, Senhor do tempo e da história, no Espírito que santifica o universo, a Adoração, a honra, a glória, hoje e nos séculos sem fim. Amém. (São João Paulo II – Oração à Santíssima Trindade)

Queridos irmãos e irmãs, celebramos na Solenidade da Santíssima Trindade, neste Ano da Misericórdia, a abertura das comemorações do Centenário do amado Monsenhor Nathanael de Versas Alcântara, de veneranda memória, que presidiu a comunhão de nossa Paróquia Catedral por quase 50 anos. Após a Missa das 7h30, visitamos a Cripta da Catedral e depositamos flores junto aos seus restos mortais, com homenagens dos paroquianos mais ligados a ele com emocionado discurso de Dr. Cesar Capobianco e testemunhos inúmeros. Na próxima terça, às 19h no Pavilhão Leoni, uma Noite de Formação sobre o seu legado na Paróquia e na Cidade de Valença. Na Mesa Redonda presidida por Dom Nelson, contaremos com as presenças dos Padres Pedro Higino e Medoro e alguns leigos. Na Missa solene da Festa de Nossa Senhora da Glória faremos memória do paroquiato do Monsenhor, com a presença do presbitério diocesano. E no dia 17 de setembro (dia do aniversário) uma Missa de conclusão das comemorações será celebrada e lançado um livreto preparado pelo Professor Raimundo Mattos.

Natural de Canhotinho, Pernambuco, trazido para Valença pelo saudoso Padre Luna. Foi aluno do Ginásio Valenciano São José. Vendo confirmada a sua vocação sacerdotal, ingressou no Seminário Arquidiocesano de São José no ano de 1932. (Tive a oportunidade de estudar nesse Seminário em 1992)

Prosseguiu seus estudos seminarísticos no Seminário da Imaculada Conceição, em São Paulo, a partir de 1938 e lá recebeu as Ordens Menores. O Diaconato veio no ano de 1941, recebido com espírito de serviço. Neste mesmo ano, recebeu o Presbiterato das benfazejas mãos de Dom André Arcoverde.

Mais tarde assume o paroquiato da Igreja Mãe da Cidade e da Diocese de Valença, destacando-se por um fecundo ministério pastoral em toda a Cidade. Invejável zelo apostólico, amor incondicional à Princesa da Serra, amizade profunda aos seus paroquianos e atenção especial aos operários e pobres. O grande Pároco de Valença foi incansável pastor: edificou Templos e monumentos, fundou associações. Movimentos e pastorais, amparou a velhice, assistiu os jovens, orientou as crianças. Notabilizou-se por atividades literárias e pela ação social.

Acompanhou e enviou para o Seminário muitos jovens que a Diocese pode contar em sua ação evangelizadora. Acolheu com espírito de obediência e alegria as renovações conciliares e sua pastoral foi sempre a melhor possível, dentro da comunhão com a Igreja de Roma, do Brasil e do Regional.

Amigo de seu povo, de todas as horas, sobretudo das mais difíceis, foi reconhecido em seu valor sacerdotal, assumindo importantes cargos em nível diocese, e recebendo da Santa Sé honrarias distintas das quais, nunca se envaideceu, mas acolhendo como forma de servir mais e mais ao santo povo de Deus. Particularmente posso dizer que o Monsenhor é uma grande referência até os nossos dias. E digo com propriedade, afinal ocupo duas funções por ele abraçadas no passado: Cura da Catedral e Chanceler do Bispado. Revisando seus escritos e projetos, testemunho que foi um Padre que marcou para sempre a vida da Catedral e da Diocese. As comemorações alusivas ao seu Centenário são justas e merecidas!

Daqui a pouco, vamos dedicar a Secretaria da Catedral ao seu nome, que está inscrito no coração dos fiéis católicos de Valença. Somos muito gratos ao Deus Uno e Trino de poder contar com o nome do Mons. Nathanael de Veras Alcântara na Galeria dos Ilustres Párocos da Sé Diocesana.

Que o Monsenhor permaneça na santa paz e na perpétua luz da bem aventurança dos justos!

Amém!

Os comentários estão fechados.